Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3914
Tipo do documento: Dissertação
Title: Política vs filosofia política: uma leitura a partir dos escritos de Jacques Rancière
Other Titles: Politics vs political philosophy: a reading from the writings of Jacques Rancière
Autor: Santos, Valmir Gonçalves dos 
Primeiro orientador: Heuser, Ester Maria Dreher
Primeiro membro da banca: Heuser, Ester Maria Dreher
Segundo membro da banca: Costa, Marta Rios Alves Nunes da
Terceiro membro da banca: Pellejero , Eduardo Anibal
Resumo: A excêntrica perspectiva política de Rancière difere da tradição de renomados teóricos da filosofia política, como por exemplo: Platão, Aristóteles, Hobbes, entre outros. Dos antigos aos contemporâneos muito se discutiu em nome de uma filosofia política ou de como a sociedade deveria se organizar politicamente. Em sua obra O desentendimento, o filósofo propõe chamar de política apenas o que é específico dela, algo que difere daquilo que a tradição compreendeu como filosofia política. É desse “específico” que a pesquisa trata, por isso se orienta pelas seguintes questões: o que de específico se pode pensar com o nome de política? Qual a relação entre a própria política e a filosofia política? Diante desse problema, esta dissertação afirma que pelo nome de política deve ser entendido um litígio específico, fruto da afirmação de uma igualdade que está em seu princípio; bem como mostra que a política nada tem a ver com organizações dos espaços comuns e sim que ela só existe em ato. A pesquisa evidencia que instituições e organizações convencionalmente consideradas políticas, efetivamente exercem o papel de polícia, entendido aqui como responsável pela manutenção da ordem consensual e contrária a qualquer manifestação política que supõe o litígio. Sugere que é a polícia que vem ao encontro da tradição da filosofia política, iniciada por Platão, e que a alimenta. Mostra que, de acordo com Rancière, a política, como ato de reivindicação da participação nos assuntos comuns, se encontra exclusivamente na democracia, a qual está ligada diretamente à igualdade e ao dissenso e não pode ser resumida a um tipo de constituição e de uma forma de sociedade. A diferenciação entre política e polícia, feita por Rancière, permite que a pesquisa afirme que em nome da manutenção da ordem que se opõe a tudo o que não segue uma organização, cria-se tradições filosóficas políticas que nada trazem de política, mas sim repetem o velho discurso da mera organização dos corpos, propriamente o papel da polícia. Em suma, esta dissertação afirma e mostra, a partir de textos de Rancière, que a filosofia política, tal como se apresenta até então na tradição filosófica, é o fim da política.
Abstract: Rancière's eccentric political perspective differs from the tradition of the renowned theorists of political philosophy, like Plato, Aristotle, Hobbes, etc. From the ancients to the contemporaries much was discussed in the name of a political philosophy or how society should organize itself politically. In his work Disagreement, the philosopher proposes to call politics only what is specific of it, something that differs from what tradition understood as political philosophy. It is this "specific" that this research deals with and it is guided by the following questions: What is specific that we can think with the name of politics? What is the relation between politics itself and political philosophy? Facing this problem, this dissertation affirms that by the name of politics must be understood a specific litigation, fruit of the affirmation of an equality that is in its principle; as well as it shows that politics has nothing to do with the organization of common spaces, but rather that it exists only in the act. The research shows that institutions and organizations conventionally considered political effectively play the role of the police, understood here as responsible for the maintenance of the consensual order and contrary to any political manifestation that supposes the litigation. It suggests that it is the police that come to meet the tradition of political philosophy, initiated by Plato, and which feeds it. It shows that, according to Rancière, politics, as an act of claiming participation in common affairs, lies exclusively in democracy, which is directly linked to equality and dissent and can not be summed up as a kind of constitution and a form of society. Rancière's differentiation between politics and the police allows the research to affirm that in the name of maintaining the order that opposes itself to everything that does not follow an organization, political philosophical traditions are created that do not bring politics, but rather repeat the old discourse of mere organization of bodies, properly the role of the police. In short, the dissertation affirms and shows, from Rancière's texts, that political philosophy, as presented in the philosophical tradition, is the end of politics.
Keywords: Política.
Igualdade
Democracia
Polícia
Filosofia política
Politics
Equality
Democracy
Police
Political philosophy
CNPq areas: CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: Brasil
Publisher: Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Sigla da instituição: UNIOESTE
Departamento: Centro de Ciências Humanas e Sociais
Program: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Campun: Toledo
Citation: SANTOS, Valmir Gonçalves dos. Política vs filosofia política: uma leitura a partir dos escritos de Jacques Rancière. 2018. 105 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Toledo, 2018,
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3914
Issue Date: 22-May-2018
Appears in Collections:Mestrado em Filosofia (TOL)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Valmir_Santos_2018.pdf961.48 kBAdobe PDFView/Open Preview


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.