Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unioeste.br/handle/tede/2555
Tipo do documento: Dissertação
Title: Políticas linguísticas e nacionalização do português de Moçambique
Other Titles: Linguistic policies and nationalization of Mozambican portuguese
Autor: Macaringue, Ilídio Enoque Alfredo 
Primeiro orientador: Santos, Maria Elena Pires
Primeiro membro da banca: Silva, Regina Coeli Machado e
Segundo membro da banca: Klauck, Samuel
Terceiro membro da banca: Jung, Neiva Maria
Resumo: Neste trabalho, o nosso foco radica na análise das políticas linguísticas e da situação sociolinguística e sociocultural em Moçambique decorrente da confluência de várias línguas e culturas para compreender os processos de nativização/ nacionalização da língua portuguesa no país. Ao longo do trabalho usámos, com regularidade, o termo nacionalização tendo em vista evidenciar os processos subjacentes à apropriação do Português em Moçambique, perspectivando o pressuposto político-ideológico de ser uma língua oficial e de unidade nacional, língua de Estado e da nacionalidade moçambicana. O interesse em pesquisar a temática prende-se com as ambivalências das bases epistemológicas da política linguística do país que preconizou a oficialização do Português sem o nacionalizar e nacionalizou as línguas bantu, também designadas línguas autóctones, e que o discurso oficial as tipifica como línguas nacionais, não obstante estarem fragmentadas geograficamente, ou seja, sem extensão territorial nacional, sem as oficializar. Mais ainda, pelo facto de profissionalmente trabalharmos na área da língua portuguesa e o dia-a-dia demonstrar evidências de que o Português em Moçambique caminha à margem do desiderato oficial, isto é, a pretensa replicação dos traços característicos da norma europeia adoptada como norma-padrão, língua oficial e de unidade nacional em 1975, ano da independência do país, razão pela qual está sendo modificado pelo uso e direito costumeiro dos falantes como resultado do cruzamento de diferentes línguas e culturas tendo em conta alguns dos estudos, dos quais destacamos os de Gonçalves (1996a, 1996b, 1998, 2010), Firmino (2006) e Mendes (2010). Os dados analisados, decorrentes dos excertos de textos literários, de jornais e de uma revista permitem-nos asseverar que o Português Europeu está sendo nacionalizado em decorrência da sua apropriação linguístico-cultural e simbólico-ideológica pelos moçambicanos, daí o surgimento de outra língua portuguesa no país. Esta perspectiva é de César e Cavalcanti (2007), na medida em que se referem aos diferentes falares do Português não como variedades ou dialectos, mas outras línguas legitimadas pelos usos socioculturais e contextuais da língua. Por isso, o Português de Moçambique deve ser normatizado. Igualmente, os resultados da pesquisa mostraram, por exemplo, que as políticas linguísticas estão desarticuladas com o actual contexto sociolinguístico do país, por conseguinte urge a necessidade de serem revistas para darem cobertura à diversidade linguístico-cultural e enquadrar no sistema político-administrativo do Estado muitas pessoas que se sentem à margem da sociedade homogeneizada, tendo em conta que a cultura que une é também a cultura que separa. E para compreendermos os contornos sociolinguísticos que estão a ocorrer no país recorremos a diversos procedimentos metodológicos, tais como a pesquisa qualitativa, auxiliada pelos paradigmas interpretativista de Bortoni-Ricardo (2008) e indiciário de Ginzburg (1989).
Abstract: In this paper, our focus lies on the analysis of linguistics politics and the sociolinguistics situation in Mozambique, due to the confluence of several languages and cultures, to understand the processes of nativization and nationalization of Portuguese language in that country. Throughout the work, we have used, on a regular basis, the term nationalization in order to highlight the underlying processes to the ownership of Portuguese in Mozambique, viewing the ideological and political basis of being a n official language and a national unity, State and Mozambican language. The interest in studying the topic is related to the ambivalence in the epistemological foundations of the country s linguistics politics, which called for formalizing the Portuguese language without nationalizing it, and nationalized Bantu languages, also known as indigenous languages. The official discourse typifies them as national languages, despite being geographically fragmented, i.e. without national territorial extension, without officializing them. Moreover, for the fact that we work professionally with Portuguese language, and that day by day there is evidence that the Portuguese in Mozambique walks on the sidelines of the official goal, i.e., the alleged replication of the Eu ropean standard characteristics, adopted as standard and official language and as a national unity in 1975, the nation s independence day, reason for which it is being modified by customary law and thespeakers usage as a result of crossing different languages and cultures, taking into account some of the studies, which include Goncalves (1996a, 1996b, 1998, 2010), Firmino (2006) and Mendes (2010). The analyzed data, arising from literary excerpts, newspapers and magazines, allowed us to assert that the European Portuguese is being nationalized as a result of its culturallinguistics and ideological-symbolic appropriation by Mozambicans, hence the rising of a different Portuguese in that country, under the perspective of Caesar and Cavalcanti (2007), who refer to different dialects of Portuguese not as variation or dialects, but as other languages, legitimated by socio-cultural and contextual use of language. Therefore, Mozambique s Portuguese should be regulated similarly to different treatments that the also called Camoes s language is assumed around the world. Also, the results showed, for example, that language politics are disjointed with the current sociolinguistic context of that country. Therefore, there is an urgent need of revising it in order t o cover linguistic and cultural diversity and frame many people, who are on the margins of a homogenized society, in the State s political and administrative system, taking into account that the culture that unites is also the culture that segregates. In order to understand the sociolinguistic contours that are taking place in that country, we resorted to various methodological procedures, such as a qualitative research, aided by Bortoni-Ricardo s interpretivist (2008) and Ginzburg s (1989) evidentiary paradigms.
Keywords: Políticas linguísticas
português de Moçambique
nacionalização
língua(gem)
Mozambican portuguese
linguistics politics
nationalization
language
CNPq areas: CIENCIAS HUMANAS:SOCIOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Publisher: Universidade Estadual do Oeste do Parana
Sigla da instituição: UNIOESTE
Departamento: Centro de Educação, Letras e Saúde
Program: Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Cultura e Fronteiras
Campun: Foz do Iguaçu
Citation: MACARINGUE, Ilídio Enoque Alfredo. Políticas linguísticas e nacionalização do português de Moçambique. 2014. 207 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Cultura e Fronteiras) - Universidade Estadual do Oeste do Parana, Foz do Iguaçu, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unioeste.br:8080/tede/handle/tede/2555
Issue Date: 3-Jul-2014
Appears in Collections:Mestrado em Sociedade, Cultura e Fronteiras (FOZ)

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ilidio_Macaringue_2014.pdf2.06 MBAdobe PDFView/Open Preview


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.