Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unioeste.br/handle/tede/2133
Tipo do documento: Dissertação
Title: Subjetividade e religião no pensamento de Kierkegaard
Other Titles: Religion and subjectivity in the core of Kierkegaard philosophical conception
Autor: Massarollo Junior, Leosir Santin 
Primeiro orientador: Onate, Alberto Marcos
Primeiro membro da banca: Utteich, Luciano Carlos
Segundo membro da banca: Sampaio, Silvia Saviano
Resumo: O objetivo do presente trabalho consiste na investigação da influência das noções de religião e de subjetividade no cerne da concepção filosófica apresentada por Søren A. Kierkegaard, principalmente nas obras Frygt og baeven (1843) (Temor e tremor); Begrebet Angest (1844) (O conceito de angústia) e Sygdommen till doeden (1849) (O desespero Humano A doença mortal). O filósofo dinamarquês vale-se das concepções de fé/pecado e objetividade/subjetividade para esclarecimento de suas posições; em suas análises e conclusões observa-se influência direta da Ética e da Psicologia, já que se trata de uma investigação sobre o eu . Kierkegaard, a partir da síntese que constitui o indivíduo, da sua relação com a divindade e da harmonia em tal relação, afirma a existência como um constante processo de edificação. Este processo, inerente ao ato de ser, terá sua análise na Ética e na Psicologia, mas se manifestará de maneira plena apenas na subjetividade inclinada à religiosidade; o que torna a Dogmática, em muitos casos, a base da investigação kierkegaardiana. Por ser uma síntese de finito e infinito, temporal e eterno, liberdade e necessidade, a dialética do eu irradia tanto finitude quanto infinitude. Esta natureza do indivíduo transcende a análise objetiva, conduzindo a investigação a meandros em que a Dogmática deverá corresponder ao mecanismo de apreciação. Tendo como modus operandi a individualização, uma vez que a Dogmática exige o isolamento, a filosofia da existência vale-se de seus próprios desdobramentos para a edificação do eu . Com esta concepção, compreende-se o indivíduo como a categoria mais elevada do pensamento kierkegaardiano. Isto acarreta o abandono simultâneo de sistemas e multidões, pois no recolhimento, segundo o filósofo nórdico, o indivíduo aprende algo que nenhuma ciência pode ensinar: a edificação. Esta consistirá na compreensão e aceitação da existência que permeia os âmbitos da vida, iniciando com a Ética e aprofundando-se com a Dogmática. A metodologia utilizada possui como proposta, em última instância, a análise da interioridade a partir de reações subjetivas capazes de expor a tensão da existência, tais como o desespero, a angústia, a fé, o pecado, entre outras. Para tanto, Kierkegaard analisa tais reações não apenas de maneira objetiva, mas de modo a transportá-las à existência, voltando-se assim à natureza última do indivíduo: sua relação com a divindade. A submissão ou elevação do homem será a constante observada nas investigações kierkegaardianas. Com esta noção, o indivíduo instaura por si o avanço da edificação, pautando-se em sua realidade de síntese condicionada à divindade. Abre-se caminho para a individualidade como arauto da verdade, como afirmação irrestrita e amor à vida. Para atingir tal afirmação, Kierkegaard dispõe da fé como derradeira paixão humana, capaz de conduzir a síntese e sublimar suas inquietações. Neste sentido, podemos compreender a filosofia proposta por Kierkegaard como o retorno do eu em suas implicações religiosas profundas.
Abstract: The following study aims to investigate the influence of religion and subjectivity in the core of Søren A. Kierkegaard philosophical conception, mainly in the works Frygt og baeven (1843) (Fear and Trembling); Begrebet Angest (1844) (The Concept of Dread) and Sygdommen till doeden (1849) (The Sickness Unto Death). The Danish philosopher relies on concepts of faith / sin and objectivity / subjectivity to clarify his positions; in his analysis and conclusions it can be observed the direct influence of Ethics and Psychology, since it is an investigation about myself . Kierkegaard, from synthesis of what the individual is and its relations with harmony s divinity, in such relationship, the author affirms the existence as a constant process of edification. This process, inherent in the act of being, will have its analysis in Ethics and Psychology, but it will be fully expressed only in the subjectivity inclined to religious; which makes the Dogam, in many cases, the base of Kierkegaard investigation. Because it is a synthesis of the finite and infinite, temporal and eternal, freedom and necessity, dialectical myself radiates both finite infinity. This nature of man transcends the objective analysis, conducting the investigation in meanders in which the Dogmatic should match the "mechanism" of assessment. Having as modus aprendi the individualization, since Dogam demands isolation, the existence philosophy relies on its own developments to the edification of myself . With this conception, the individual is understood as a more elevated category from Kierkegaard s thoughts. This will result in the mutual abandon of systems and crowds, because in retirement, according to the Danish philosopher, the individual learns something that any science can teach: the edification. This will constitute in the comprehension and acceptance of the existence that allows the areas of life, initializing with Ethics and going forward with Dogam. The methodology used has as purpose, ultimately, the analysis of the inner from subjective reactions capable of expose the tension of existence, such as the desperation, interiority, faith, sin and others. The submission or elevation of the men will be constant observed in Kierkegaard s investigations. With this notion, the individual establishes alone the edification progress, guiding in its reality in the conditioned divinity synthesis. A path is open to the individuality as herald of the truth, as unrestricted statement and love for life. To achieve this statement, Kierkegaard has the faith as the last human passion, capable of conducting the synthesis and sublimate its concerns. In this sense, we can understand the philosophy proposed by Kierkegaard as a return do the myself in its deep religious implications.
Keywords: Síntese
Indivíduo
Edificação

Pecado
Synthesis
Individual
Edification
Faith
Sin
Filosofia dinamarquesa
Filosofia e religião
Psicologia religiosa
Existencialismo
Ética
Identidade (Psicologia)
CNPq areas: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: BR
Publisher: Universidade Estadual do Oeste do Parana
Sigla da instituição: UNIOESTE
Departamento: Filosofia Moderna e Contemporânea
Program: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Filosofia
Citation: MASSAROLLO JUNIOR, Leosir Santin. Religion and subjectivity in the core of Kierkegaard philosophical conception. 2012. 137 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia Moderna e Contemporânea) - Universidade Estadual do Oeste do Parana, Toledo, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unioeste.br:8080/tede/handle/tede/2133
Issue Date: 3-Sep-2012
Appears in Collections:Mestrado em Filosofia (TOL)

Files in This Item:
File SizeFormat 
Leosir S Massarollo Jr.pdf696.16 kBAdobe PDFView/Open Preview


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.