Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unioeste.br/handle/tede/2109
Tipo do documento: Dissertação
Title: Merleau-Ponty: a experiência do corpo como ser sexuado
Other Titles: Merleau-Ponty: the experience of the body as a sexual being
Autor: Schneider, Patrícia 
Primeiro orientador: Silva, Claudinei Aparecido de Freitas da
Primeiro membro da banca: Onate, Alberto Marcos
Segundo membro da banca: Falabretti, Ericson Sávio
Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar a concepção de corpo e sexualidade numa perspectiva fenomenológico-psicanalítica, e, a partir dessa reconstrução, compreender a noção de inconsciente carnal em Merleau-Ponty, noção que passa a ser instituída a partir de uma articulação com a teoria psicanalítica. Para tanto, o trabalho tem como base investigativa a primeira parte da Fenomenologia da Percepção de Maurice Merleau-Ponty, texto capital no qual é explorado o tema da experiência do corpo próprio e seu contraponto crítico às teorias tradicionais vigentes na ciência e na metafísica modernas. A doutrina cartesiana do corpo está fundada no princípio de que o pensamento é anterior à percepção, isto é, o espírito possui primazia metafísica e cognitiva em relação ao corpo. O corpo se caracteriza por exercer uma função meramente instrumental em relação à alma. O empirismo, por seu turno, fundamenta o conhecimento na experiência sensível em que o corpo se define como um pedaço da matéria, um objeto de estudo da anatomia. Ora, Merleau-Ponty identifica, nessas duas posições canônicas (intelectualismo e empirismo), uma convergência de base: um princípio dualista de abordagem, que camufla a experiência mais própria dos fenômenos percebidos, dentre eles, a experiência do corpo próprio  dualismo que cinde nossa experiência interna e externa, espiritual e corporal. Assim, a tradição termina por mascarar a verdadeira experiência do corpo de tal maneira que a sexualidade não passa de um instinto, de um processo fisiológico isolado, um mecanismo predeterminado. Para a tradição filosófica ou até mesmo científica, a afetividade se torna um tema irrelevante, sem receber qualquer estatuto ontológico mais proeminente. Diferentemente, mostra Merleau-Ponty, Freud terá sido aquele que lançará novas bases teóricas no sentido de se repensar mais radicalmente a experiência da sexualidade, ao considerar o fato de que tudo o que o ser humano faz tem um ou mais sentidos. Assim, a sexualidade não é apenas um processo fisiológico isolado, já que o próprio homem é visto como um ser cultural e histórico, um ser produtor de sentido, pois o corpo se revela, em sua radicalidade última, como ser sexuado . Sem jamais se reduzir à condição de objeto, o corpo se torna fonte de sentido. É uma experiência viva. A sexualidade se torna, pois, a deflagração mais genuína desse movimento dialético e paradoxal. Ora, essa é uma característica fundamental da corporeidade que Freud já presumirá em sua experiência clínica. Apesar da ambivalente relação de Freud com a filosofia, este estudo faz uma lacônica incursão na sua teoria, enfocando as noções de desejo e de inconsciente, para reconstruir a problemática sobre o inconsciente em Merleau-Ponty. Este, ao mesmo tempo em que reconhece o mérito freudiano, critica e questiona alguns pontos, para propor a sua própria noção de inconsciente carnal. Essa proposta tem como eixo central a noção de carne, que culmina numa reabilitação ontológica do sensível e anuncia uma provocação à concepção de inconsciente estruturado como linguagem, tipicamente lacaniana.
Abstract: The objective of this study is to analyze the conception of body and sexuality in a phenomenological-psychoanalytical perspective, and, from this reconstruction, to understand the notion of carnal unconscious in Merleau-Ponty, a notion that is being established from an articulation with the psychoanalytical theory. For this, the work has as an investigative base the first part of Phenomenology of Perception of Maurice Merleau-Ponty, capital text where it is explored the theme of the experience of the own body and its critical counterpoint to the traditional theories current in modern science and metaphysics. The Cartesian doctrine of the body is founded on the premise that the thought is prior to the perception, that is, the spirit has metaphysical and cognitive primacy over the body. The body is characterized for exercising a purely instrumental function in relation to the soul. Empiricism, however, bases the knowledge on sensory experience at which the body is defined as a piece of matter, an object of study of anatomy. However, Merleau-Ponty identifies, on these two canonical positions (intellectualism and empiricism), a convergence of base: a dualistic principle of conception, which camouflages the most characteristic experience of perceived phenomena, among them, the experience of the own body - dualism that splits our internal and external experience, spiritual and corporal. Thus, the tradition ends up masking the true experience of the body in such a way that the sexuality is only an instinct, an isolated physiological process, a predetermined mechanism. For the philosophical or even scientific tradition, the affection becomes an irrelevant issue, without receiving any ontological status more prominent. Differently, shows Merleau-Ponty, Freud has been the one that will launch new theoretical foundations in sense of rethinking more radically the experience of sexuality, considering the fact that everything that humans do has one or more sense or meaning. Thus, sexuality is not just an isolated physiological process, since the own man is understood as a cultural and historical being, a sense producer being, because the body reveals itself, in its latest radicalism, as a "sexual being". Without ever reducing itself to the object condition, the body becomes a source of meaning. It is a living experience. Sexuality becomes, therefore, the most genuine deflagration of this dialectical and paradoxical movement. So, this is a fundamental characteristic of embodiment that Freud already presumes in his clinical experience. Despite Freud's ambivalent relationship with philosophy, this study makes a laconic incursion in his theory, focusing on the notions of desire and unconscious, in order to reconstruct the problematic of the unconscious in Merleau-Ponty. This one, while recognizing the Freudian merit, criticizes and challenges some points, in order to propose his own notion of carnal unconscious. This proposal has as central axis the notion of carnality, which culminates in an ontological rehabilitation of the sensible and announces a challenge to the conception of unconscious structured as a language, typically Lacanian.
Keywords: Merleau-Ponty
Corpo
Inconsciente
Freud
Sexualidade
Filosofia francesa
Merleau-Ponty, Maurice, 1908-1961
Corpo humano
Percepção
Fenomenologia
Corporeidade
Freud, Sigmund, 1856-1939
Body
Unconscious
Freud
Sexuality
CNPq areas: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: BR
Publisher: Universidade Estadual do Oeste do Parana
Sigla da instituição: UNIOESTE
Departamento: Filosofia Moderna e Contemporânea
Program: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Filosofia
Citation: SCHNEIDER, Patrícia. Merleau-Ponty: the experience of the body as a sexual being. 2010. 141 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia Moderna e Contemporânea) - Universidade Estadual do Oeste do Parana, Toledo, 2010.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unioeste.br:8080/tede/handle/tede/2109
Issue Date: 2-Dec-2010
Appears in Collections:Mestrado em Filosofia (TOL)

Files in This Item:
File SizeFormat 
Patricia Schneider.pdf1.05 MBAdobe PDFView/Open Preview


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.