Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.unioeste.br/handle/tede/2067
Tipo do documento: Dissertação
Title: Ontologia e lógica na filosofia especulativa de Hegel
Other Titles: Ontology and logic in the speculative philosophy of Hegel
Autor: Wesan, Leandro Alberto Xitiuk 
Primeiro orientador: Schütz, Rosalvo
Primeiro membro da banca: Chagas, Eduardo Ferreira
Segundo membro da banca: Ciotta, Tarcílio
Resumo: Esta dissertação visa expor e discutir a filosofia especulativa de Hegel a partir do problema da oposição entre sujeito e objeto. Tal problema se refere à possibilidade da filosofia ser conhecimento certo e verdadeiro da realidade. A filosofia na modernidade, tal como expõe Hegel, é caracterizada pela questão da possibilidade do conhecimento, isto é, a possibilidade da conformidade perfeita entre a consciência e a coisa, pois somente se a oposição entre sujeito e objeto for dissolvida, a filosofia poderá ser novamente demonstrada como ciência absoluta da realidade. Hegel na sua filosofia especulativa identifica lógica e ontologia, na tarefa de solucionar o dualismo entre pensamento e coisa, dualismo que limitava a possibilidade do conhecimento absoluto da realidade, a saber, conhecimento que se apresenta como síntese silogística entre sujeito, objeto e método. Deste modo, a filosofia especulativa se caracteriza segundo o desdobramento do sistema hegeliano como reunião de lógica e ontologia. Na modernidade, conforme expõe Hegel, a filosofia especulativa foi vista como carente de fundamentação científica. Hegel refere-se a esta perspectiva como o ponto de vista que a metafísica adquiriu nesta época, a saber, de ser especulação ausente de certeza. Contudo, a filosofia especulativa desenvolvida no sistema de Hegel, pretende conferir novamente à filosofia sua significação universal e real, na medida em que ultrapassa e supera a racionalidade subjetiva e a crítica da filosofia moderna sobre a possibilidade do conhecimento. Hegel pretende desenvolver o conceito de lógica para além do formalismo em que esta ciência se encontra. O fundamento para realizar tal propósito reside na construção de um novo conceito de pensamento. Hegel desenvolve o conceito do pensamento para além de sua dimensão unicamente subjetiva, na medida em que demonstra a objetividade do pensamento, no seu projeto da lógica especulativa. Neste sentido, Hegel percebe a necessidade de a lógica objetiva fundamentar-se numa concepção de pensamento que não se oriente por sua determinação formal, isto é, apresentada na forma do eu, da consciência subjetiva. A possibilidade do conhecimento, tarefa que foi assumida pela filosofia especulativa ao tentar progredir a filosofia de sua crise gnosiológica, exige abandonar a forma do Eu como consciência finita e passar ao conteúdo infinito do pensamento. Na filosofia especulativa, Hegel promete levar à forma perfeita a natureza lógica da filosofia, mediante a identidade entre idealidade e realidade, que constitui o problema principal da filosofia hegeliana, na medida em que tal identificação retoma a perplexidade que determina a questão do conhecimento na filosofia moderna: o pensamento e o conceito foram considerados até a filosofia de Hegel como idealizações abstratas, que permaneciam na esfera da representação subjetiva; na filosofia hegeliana o pensar e o conceituar puro pretendem ser análogos ao conhecimento real do mundo. Em sua conclusão, a filosofia de Hegel pretende ser a exposição dialética, portanto do desenvolvimento, vale dizer, do vir-a-ser, da ideia perfeita, a saber, do absoluto.
Abstract: This dissertation aims to present and discuss the speculative philosophy of Hegel from the problem of the opposition between subject and object. This problem refers to the possibility of philosophy to be right and true knowledge of reality. The philosophy in modernity as Hegel explains is characterized by the question of the possibility of knowledge, i.e. the possibility of perfect conformity between consciousness and the thing, because only if the opposition between subject and object is dissolved, the philosophy can be re-stated as absolute science of reality. Hegel in his speculative philosophy identifies logic and ontology at the task of resolving the dualism between thought and thing, dualism which limited the possibility of absolute knowledge of reality, namely, according to Hegel, knowledge that is presented as syllogistic synthesis between subject, object and method. Thus, speculative philosophy is characterized according to the deployment of the Hegelian system as a meeting of logic and ontology. In modernity, as Hegel exposes the speculative philosophy was seen as lacking in scientific foundation. Hegel refers to this perspective as the view that metaphysics acquired at this time, namely, to be absent from certain speculation. However, speculative philosophy developed in Hegel's system, aims to give back to philosophy and its universal real significance, the extent that exceeds and surpasses the subjective rationality and critique of modern philosophy about the possibility of knowledge. Hegel aims to develop the concept of logic beyond the formalism that this science is. The foundation to accomplish this purpose lies in building a new concept of thought. Hegel develops the concept of thinking beyond their uniquely subjective dimension, the extent that demonstrates the objectivity of thought in its design of speculative logic. In this sense, Hegel perceives the need for objective logic support a conception of thought that is not driven by its formal determination that is presented in the form of the self, the subjective consciousness. The possibility of knowledge, a task that was assumed by speculative philosophy to try to advance the philosophy of his epistemological crisis, requires abandoning the shape of the finite consciousness as I go to infinity and thought content. In speculative philosophy, Hegel promises to lead to perfectly logical nature of philosophy, by identity between ideality and reality, which is the main problem of Hegelian philosophy, the extent that such identification takes amazement determines the question of knowledge in philosophy modern: thought and concept were considered to Hegel's philosophy as abstract idealizations, which remained in the realm of subjective representation; in Hegelian philosophy pure thinking and conceptualizing are analogous to real-world knowledge. In his conclusion Hegel's philosophy aims to be the dialectical exposure, so the development, that is, the coming-to-be, the perfect idea, namely, the absolute.
Keywords: Hegel, Georg Wilhelm Friedrich, 1770-1831
Ontologia
Lógica
Especulativo
Absoluto
Ontology
Logic
Speculative
Absolute
Filosofia alemã
CNPq areas: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: BR
Publisher: Universidade Estadual do Oeste do Parana
Sigla da instituição: UNIOESTE
Departamento: Filosofia Moderna e Contemporânea
Program: Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Filosofia
Citation: WESAN, Leandro Alberto Xitiuk. Ontology and logic in the speculative philosophy of Hegel. 2014. 108 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia Moderna e Contemporânea) - Universidade Estadual do Oeste do Parana, Toledo, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.unioeste.br:8080/tede/handle/tede/2067
Issue Date: 11-Aug-2014
Appears in Collections:Mestrado em Filosofia (TOL)

Files in This Item:
File SizeFormat 
Leandro Alberto Xitiuk Wesan.pdf872.08 kBAdobe PDFView/Open Preview


Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.